BDR - Brazilian Depositary Receipts: Compre ações estrangeiras na bolsa brasileira

Trades

BDR - Brazilian Depositary Receipts: Compre ações estrangeiras na bolsa brasileira

Willian Savio
Escrito por Willian Savio
Junte-se a mais de 3 mil pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

BDR é o mesmo que Brazilian Depositary Receipts (certificado de depósito de valores mobiliários) e na prática, é uma forma do investidor brasileiro investir em ações de empresas estrangeiras sem a necessidade de fazer remessas internacionais, abrir conta em corretoras lá fora, correr riscos diretos de variação cambial e ainda lidar com questões tributárias de outro país.

Para ficar mais claro o que é um BDR, quando um investidor no Brasil compra um BDR de uma empresa listada nos Estados Unidos, ele não está comprando a ação propriamente dita, mas um recibo daquela ação que está depositada numa instituição financeira. É como se uma agência do seu banco lá fora comprasse ações da Apple e deixasse esses papeis bloqueados numa conta da própria instituição, então na sequência você compra um título lastreado à essas ações.

BDR tem garantias?

A garantia desse tipo de investimento se dá por exigências regulatórias, visto que a instituição depositária precisa comprovar que tem as ações estrangeiras como lastro para a emissão dos BDRs. Não é possível a emissão desses títulos caso não exista a mesma quantidade de ações junto a instituição financeira. O que precisa ficar claro é que investir em BDRs é investir em renda variável, por isso, os preços flutuam da mesma forma que as ações de empresas listadas aqui no Brasil.

BDRs Patrocinados e Não Patrocinados – Nível I, II e III

Os BDRs se dividem em dois grupos principais:

  • BDRs Patrocinados e;
  • Não Patrocinados.

Além desses grupos, ainda existe uma subdivisão em níveis, que vai de I até III.

Os BDRs Patrocinados são aqueles onde a empresa tem registro na CVM, desta forma, a nossa regulação tem maior controle sobre todo o processo de emissão desses títulos no Brasil. Já os BDRs não Patrocinados não são emitidos por aqui por iniciativa da empresa em si, mas sim de uma instituição financeira depositária, muitas vezes com o objetivo de oferecer mais alternativas a seus investidores.

BDR - Investidor em geral

Os BDRs Não Patrocinados são sempre de nível I, com bem menos exigências que os demais. No nível I (Não Patrocinado) é a instituição financeira que deve divulgar aqui no Brasil todos os dados obrigatórios no país de origem, mas sem a preocupação de converter demonstrações contábeis para a nossa moeda ou ajustar de qualquer forma os dados para as nossas regras contábeis.

Já os BDR’s Patrocinados são os títulos emitidos por interesse próprio da empresa, que contrata uma única instituição depositária para emitir os seus certificados. Aqui é necessário registro da CVM e maior controle dos nossos órgãos reguladores.

Para os BDRs Patrocinados de nível II e III as empresas estrangeiras precisam seguir por aqui, várias das mesmas regras exigidas para empresas brasileiras como Petrobras e Itau.

Como era e o que muda a partir de setembro de 2020?

Para os BDRs Patrocinados de Nível II e III não muda absolutamente nada, mas acontece que eles praticamente inexistentes no Brasil. A grande maioria dos BDRs listados são Não Patrocinados I, que é aquele nível com bem menos burocracia para sua emissão. Esses BDRs sempre foram exclusivos para investidores qualificados, que são os investidores com patrimônio de no mínimo 1 milhão no mercado financeiro.

Quanto aos investidores em geral ou de varejo, esse tipo de alocação era impossível de ser feita, mas a partir de setembro de 2020, a CVM através de uma inovação na regulação irá permitir que qualquer investidor no Brasil invista em empresas estrangeiras através dos BDRs.
Com esse movimento, naturalmente esse investimento terá mais liquidez no mercado, ou seja, com o maior volume de negociação a partir de setembro, até mesmo os investidores qualificados que já eram autorizados a investir nesses papeis serão beneficiados.

Qual o valor mínimo a ser investido?

O valor mínimo a ser investido é o valor de um BDR de qualquer empresa. Normalmente esses BDRs são negociados em lotes de 100, da mesma forma que ações, no entanto, é possível comprar através do chamado mercado fracionário, onde você pode comprar literalmente uma única ação da empresa.

Para exemplificar, na sexta-feira, dia 14/08 o BDR da Apple (código AAPL34) no mercado fracionário fechou em R$249,98, então esse valor mais os custos da sua corretora seria o mínimo para investir num BDR da Apple.

Qual o papel do assessor de investimentos neste novo processo?

A liberação do investimento em BDRs para todo e qualquer tipo investidor vem com a mesma função do assessor de investimentos, que é democratizar o mercado financeiro para o brasileiro, que por ser muito complexo, exige sempre o acompanhamento de um profissional.

Digo sempre para os meus clientes que quando se fala em investimento em ações, nós não podemos ser torcedores. Precisamos projetar no mínimo três cenários e nos preparar o máximo possível para essas diferentes possibilidades. E acredito que os BDRs devem ser um excelente instrumento para gerenciar os diferentes tipos de risco na carteira do investidor brasileiro (de qualquer tamanho), desconcentrando a posição em Brasil e em moeda nacional, assim como trazendo exposição de ativos de alta qualidade, negociados no mundo inteiro.

Existem taxas para comprar um BDR?

Sim. Da mesma forma que ao investir em ações da Vale na nossa bolsa, a B3, para investir em BDRs se aplicam os mesmos custos, tanto da sua corretora, como os custos da própria bolsa de valores.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre

Quem somos

Nossa missão

 

Plataforma
Eventos

Previdência privada: Bate papo com gestores

Plátano Talks com Guilherme Benchimol